Copa do Mundo e negócios, qual a relação? A Copa do Mundo é um dos eventos esportivos mais esperados e amados no mundo inteiro. Aqui no Brasil ele movimenta a economia, mexe com nossa produtividade e confunde toda nossa agenda. Somos umas das poucas nações que realmente param o expediente para assistir nossa seleção. E uma vez que vamos nos envolver com a Copa do mundo de qualquer maneira, que tal aprendermos com tudo isso? Nesse post vamos mostrar que brasileiro tem seu jeitinho próprio de aprender com cada oportunidade. Elencamos 8 lições que a Copa do Mundo nos ensinou sobre o mundo dos negócios, até agora.

Copa do Mundo: várzea ou paixão?

Alguns dizem que o Brasil é um eterno paraíso, outros preferem chamar nossa paixão por futebol de cultura nacional. Se formos pensar pelo lado da formação da nossa sociedade, ficamos com o segundo argumento. Toda criança brasileira já nasce e é registrada pelos pais com nome completo, data de nascimento e time pelo qual irá torcer. Isso quando não sai briga entre pai e mãe pela decisão do time rsrs! Desde pequenos somos cercados por notícias sobre futebol, então estamos acostumados ao nervosismo do esporte. E quanto mais o Brasil avança na competição, mais nosso coração de torcedor fica na expectativa do hexa.

A Copa do Mundo é uma competição composta por 32 seleções. Na fase inicial essas seleções são separadas em 8 grupos. Cada grupo disputa entre si as primeiras colocações da disputa, baseado em pontos. Da fase de grupos passam apenas as duas primeiras colocadas de cada grupo. Agora chegou o mata a mata. Perdeu, saiu fora. Todos estamos apreensivos pelo que virá pela frente. Chegou a hora de tirar um tempo e analisar como as seleções se desempenharam na fase anterior para podermos nos preparar psicologicamente para os resultados. Ou, pelo menos, acertar o bolão do placar.

Com a motivação de levar o dinheiro do bolão pra casa, resolvi analisar também o comportamento das outras seleções na competição. Muitas seleções que eram fortes já caíram fora, outras passaram surpreendendo todas as estatísticas. O que isso quer dizer? Talvez aí estejam algumas estratégias que podemos utilizar fora do campo ou até aplicar em áreas diferentes, como no mundo empresarial. Nesse campo improvisado entre quatro paredes, também treinamos diariamente, jogamos dando nosso suor para driblar nossos problemas e batermos a meta. Foi então que surgiu uma grande dúvida: o que podemos aprender com a fase de grupos da Copa do Mundo?

Lição 01: Copa do Mundo e negócios, prepare-se e planeje suas ações

Planejamento

Há 8 anos a Rússia foi escolhida para sediar a Copa do Mundo de 2018. Desde 2010 o país vem se preparando para receber um evento de tamanha magnitude. Toda a logística dos estádios, torcida e seleções demanda uma infraestrutura tremenda. Como devem imaginar, não é uma missão fácil. Da mesma forma, sabemos que a seleção brasileira começou o processo de preparação para a Copa do Mundo em meados de Outubro de 2017 (sem contar a fase classificatória da América do Sul). Desde então foram meses de treinos, estudo e planejamento para que jogadores e comissão técnica pudessem representar o Brasil. O que quero mostrar é que todo projeto, seja pequeno ou grande, demanda planejamento e preparo.

Copa do Mundo e negócios: nos negócios, a regra é a mesma. Não subestime o poder de um bom planejamento! Quanto mais tempo discutimos e lapidamos uma ideia, com mais facilidade conseguimos desenrolar o projeto. Assim como no futebol, os jogadores conseguem jogar bem se souberem como devem se posicionar em campo, estiverem com a estratégia alinhada e tiverem estudado o time adversário para neutralizar seus pontos fortes, assim como se aproveitar de seus pontos fracos. Para que tudo aconteça, é necessário que uma equipe de líderes e gestores criem uma estratégia e repassem aos demais. Pode até parecer confuso um monte de gente correndo atrás da bola ou de terno pra lá e pra cá nos corredores, mas por trás todos obedecem um planejamento minucioso.

Lição 02: Você precisa de um bom time

Bom time

Uma estrela que brilha sozinha não ilumina o céu inteiro. Quando começou a Copa do Mundo, muitos amantes de futebol esperavam ansiosos pelos craques. Messi e Cristiano Ronaldo, eram dois dos grandes jogadores que todos queriam assistir. Dois jogadores que competem entre si pelos maiores prêmios de artilharia e melhor jogador. Nos últimos dez anos foi assim: ou o argentino levava o prêmio ou o português levava, com poucas exceções. A mídia, logicamente, fez inflar ainda mais a expectativa de todos e colocou pressão para uma boa performance individual de ambos.

No entanto, o time é formado por 11 jogadores. Para ganhar, é preciso que todos joguem em conjunto, como uma boa equipe. Os astros podem brilhar em jogadas individuais que levem a decisões importantes, mas não fazem tudo sozinhos. No meio empresarial, a analogia é a mesma. Muitas vezes algumas pessoas se destacam das demais por uma boa técnica, por falarem bem ou venderem mais que as outras. Mas esse comportamento individual não desmerece o dos demais, tampouco deve ser levado como padrão. Uma boa equipe deve ser avaliada em conjunto, pois não importa quem fez o gol, no final os 11 jogadores juntos conseguiram a vitória.

Lição 03: Ninguém apóia o Sr. Aparecido

Ah, o famoso “fominha”. Na lição anterior comentamos sobre os craques, que são os jogadores que se destacam pela sua performance. Alguns ganham fãs pela robustez e eficiência em desarmar o adversário, outros por seus dribles que parecem malabarismo e tem até os goleiros que fazem sucesso por jogar muito bem com os pés. Cada um tem seu estilo, mas cuidado para não abusar. Não é porque um goleiro é bom na linha que ele deve abandonar o gol a todo momento. Ou mesmo um bom atacante não pode imaginar que em todos os lances conseguirá driblar toda a defesa adversária até o gol, sem passar a bola ou ter apoio de algum outro jogador.

No campo empresarial pode acontecer a mesma “Síndrome do fominha”. Existem pessoas que trabalham muito bem certa demanda e acabam monopolizando as tarefas. Com essa atitude podem atrasar entregas e prejudicar a equipe por não saberem dividir, delegar ou confiar no trabalho em equipe. Esse é um fator que deve ser muito bem trabalhado pelo líder, pois a prioridade sempre deve ser o desempenho da equipe, não o individual.

Lição 04: Resultados contam mais que reputação

Assim como no futebol, negócios são baseados em resultados. Um bom exemplo é a campanha da Alemanha na Copa do Mundo. Dita como uma das favoritas, a seleção alemã teve um desempenho aquém do esperado, indo para casa ainda na fase de grupos. Isso nos mostra que reputação nem sempre é a melhor métrica de avaliação. A performance da Alemanha não foi boa, logo, a classificação não aconteceu (para a alegria de todos os brasileiros!hehe).

No mundo dos negócios, a seleção alemã nos ensina que não podemos entrar no comodismo. A reputação por si só não garantiu a vaga da Alemanha nas quartas-de-final. Tampouco garantirá que sua empresa permanecerá no topo. A reputação se consolida por feitos constantes, portanto é preciso buscar seu melhor desempenho em qualquer situação. Uma empresa pode até cometer algum erro ou deslize com algum cliente, mas é importante assumir os erros e corrigi-los. O resultado final irá mostrar como está o seu desempenho e junto com a satisfação do cliente e colaboradores, pode te ensinar no que melhorar.

Lição 05: Copa do Mundo e negócios, satisfação conta muito

Se por um lado temos a reputação, que reflete a imagem que a torcida tem da seleção. Do outro lado temos a satisfação, que é como a torcida se sente diante dos resultados alcançados pela seleção. Até agora o Brasil passou de todas as fases, todos nós brasileiros estamos contentes com o trabalho da equipe. Mas basta fazer a gente sofrer por 40 minutos para nos revoltarmos. Se durante o jogo o time não ataca o suficiente, já é motivo para reclamarmos dos erros dos jogadores, das más escolhas feitas pelo técnico e sobra até um pouco para o bandeirinha ou juiz que com certeza fez algo que não nos agradou.

Esse tipo de pressão acontece também no mercado. Clientes insatisfeitos são os primeiros a causar problemas. Eles trazem não apenas reclamações, como podem trazer resultados ruins e até denegrir a reputação da empresa. Para evitar problemas como esses, pesquisas de satisfação devem ser feitas. A lição é sempre escutar os feedbacks e priorizar a experiência do cliente como um valor da empresa. É a torcida que vai mandar quem entra no jogo? Não. São os clientes que vão ditar as regras da empresa? Não. Mas temos que ter sempre em mente que as empresas existem para agradar os clientes, da mesma forma que a torcida veste a camisa do 12º jogador.

Lição 06: Você precisa ter um plano B

Plano B

Nessa Copa do Mundo, uma das seleções que teve maior destaque em números na fase de grupos foi a Espanha. Historicamente dotada de grandes jogadores, eles tinham tudo para brilharem na competição. Porém, nas oitavas-de-final a seleção espanhola foi derrotada pela Rússia. Mesmo sendo a dona do campinho, a seleção russa foi de longe a que recebeu menos votos para ganhar a partida. Mas o jogo virou, literalmente. Por fim, a Rússia empatou e depois ganhou a partida nos pênaltis, eliminando a Espanha da Copa do Mundo.

Alguns críticos disseram que o que faltou a seleção espanhola, durante toda a competição, foi ter um plano B para quando a partida não estivesse do jeito que eles queriam. Esta é uma crítica para os espanhóis, mas serve também como lição para as empresas. É preciso ter um plano B para caso seja necessário adotar uma abordagem diferente em alguma situação. Por exemplo, em qualquer tarefa de gerenciamento de projetos você deve contar um tempo adicional para garantir que você entregue os projetos no prazo. Ou, caso algum material não chegue a tempo para uma campanha, tenha de backup um segundo fornecedor que pode te ajudar.

Lição 07: Use a tecnologia a seu favor

Você que como eu acompanhou alguns jogos da Copa do Mundo, já deve ter visto o juiz fazendo um quadrado no ar com as mãos. Esse gesto simboliza que juiz irá rever a jogada por vídeo para tomar sua decisão, consultando o árbitro assistente de vídeo (VAR, do inglês Video Assistant Referee). Essa nova tecnologia já havia sido testada antes e outros campeonatos, mas foi na Copa do Mundo que virou polêmica.

Apesar de muito burburinho, é incontestável que o futebol está usando cada vez mais avanços tecnológicos e inovações no mercado a seu favor. E não poderia ser diferente. Se existem formas de melhorar o modo como fazemos futebol ou até negócios com tecnologia, então devemos levar em consideração. Aqui no blog nós já comentamos como a tecnologia e a produção alimentar se juntaram em um nicho chamado FoodTech, ramo promissor no mercado de e-commerce.

A lição é estar antenado às novidades e permitir que novas ideias furem a barreira da tradição. Isso pode ser benéfico não só para os custos empresariais, mas também pode trazer inovações sustentáveis ou que agreguem valor para os clientes.

Lição 08: A esperança é a última que morre

Não desista

Este não seria um post sobre futebol se não mencionasse o clássico ditado: o jogo só acaba quando termina, rs. Nessa Copa do Mundo já tivemos seleções que fizeram gol menos de um minuto antes do apito soar estridente a todo o estádio. Ou seja, elas fizeram gol no último minuto da partida! Por exemplo, no jogo da Bélgica contra o Japão ou da Colômbia contra a Inglaterra. Foi sorte? Eu acredito que não.

Mesmo quando tudo parece estar contra a gente, tem uma voz lá no fundo que te incentiva a continuar. Em muitos casos ela está certa (ei, não quero encorajar você a ir contra as decisões do seu chefe, hein). Nossa lição é apenas um incentivo para que, mesmo quando você só encontrar obstáculos, consiga ganhar uma motivação extra e persistir no caminho.

Todo dia, a gente dá um passo a mais em busca dos nossos objetivos. Para alcançarmos a meta no final do mês conquistamos uma venda por dia. Para entregar o projeto no prazo, trabalhamos em cima da nossa lista de afazeres diariamente, tickando cada tarefa feita. Pouco a pouco construímos a vitória então lembre-se sempre: não desista! Sei que às vezes parece que a partida já está perdida, mas lembre-se que você pode conquistar um gol no último minuto e ainda levar o troféu pra casa.

E claro, um time precisa estar muito bem alimentado pra ter um bom desempenho em campo, com você e os demais colaboradores da empresa onde trabalha não é diferente. Então corre escolher a sua marmô de hoje! É só clicar na imagem abaixo.

Leave a Response